Seguidores

TRADUTOR

sábado, 21 de março de 2020

MISERICÓRDIA A HUMANIDADE ERROU




MISERICÓRDIA essa é a palavra, esse é o sentimento que faltou a humanidade! 
A fome matou milhares, milhares de crianças morreram, morreram sob os olhares desesperados de seus pais, morreram e a humanidade os olhos fechou. 

Os sobreviventes passaram a se arrastar, subnutridos sem direito a nada, saúde, educação, oportunidades, amor.
Poucos se condoeram, poucos auxiliaram, poucos por que as nações queriam enriquecer, poucos  por que os outros se achavam repletos de problemas. 

A natureza foi aviltada, foi desrespeitada, foi destruída, para enriquecer as nações. 
Os povos nativos sofriam, foram sendo acuados, a fome e as condições precárias imperavam, mas contra os poderosos ninguém podia. 

Sem contar a vida animal do planeta, que a humanidade não se importou, espécies correndo risco de extinção e a humanidade até a custa deles queria enriquecer.
Algo precisava paralisar a humanidade insana, algo precisava mostrar ao Homem que ele reina até que o Criador permita. 
Que ele não é o dono do planeta. Que ele teve a supremacia para distribuir  
 riquezas com igualdade. 
Que as fronteiras dos países são marcos para divisão política, não são marcos para separar a humanidade onde todos são irmãos. 

A humanidade não teve misericórdia, a humanidade continuou apesar dos avisos que a natureza deu até que foi necessário um BASTA.

 Para que paralisados pudessem perceber o quão são pequenos, que para exterminá-la em um segundo o Criador o faz. 
Mas ainda por amor a esta humanidade, o Criador apenas os paralisou. 

Estão confinados? Que ótimo, devem gostar, porque nem por um instante quiseram contato com aqueles que de fome morriam, nem por uns instantes se dedicaram a paralisar àqueles que queriam disseminar os povos nativos. E muito menos dedicaram algum tempo para impedir a destruição da natureza. 

E agora vão entender e passar a sentir misericórdia? Torcemos e trabalhamos para que sim, que a dor traga o amor fraterno, o amor ao planeta e o amor aos verdadeiros valores. 
Aprendam a ter misericórdia e quem sabe humildemente peçam ao Criador do fundo de suas almas:

MISERICÓRDIA MEU DEUS PORQUE ERRAMOS.

21-03-2020
ditado por Áspargos

psicografado por Luconi

domingo, 15 de março de 2020

MINHA ESTRADA MEU CAMINHO


CLIQUE E PARTICIPE


MINHA ESTRADA MEU CAMINHO


A estrada tão longa parece, 
os olhos fecho, 
então penso, 
como seguir adiante. 

Parece que a solidão ali impera, 
o asfalto tão sem vida, 
a paisagem parada, 
nada ali me encoraja. 

Então uma voz me fala,
não vê o sol que brilha, 
que não se cansa, 
de sorrir para os caminhantes? 

A caminhada ser bela ou não, 
dependerá de teu coração, 
se ele estiver aberto, 
muita coisa teus olhos verão. 

Não deixarás passar a missão, 
missão que está a sua espera, 
pois nada é o acaso na vida, 
se aqui está é porque aqui encontrarás. 

Encontrarás a coragem perdida, 
o irmão que teu abraço espera, 
a criança que procura um guia, 
o pai que procura um filho. 

Encontrarás um irmão que te acompanhe, 
um irmão que te ensine,
outro que teu saber compartilhe,
encontrarás os verdadeiros valores. 

E quando olhares para trás, 
a estrada tão sem vida, 
repleta de flores estará, 
você o caminho continuará, 
e as lembranças serão a tua companhia. 

Luconi
15-03-2020


quarta-feira, 4 de março de 2020

PÉTALAS DO AMOR

 A partir de uma ou mais imagens que Lourdes indica a cada quinze dias, desenvolve-se a  criatividade escrevendo  versos, poesias, pensamentos, crônicas ou prosas  poéticas.
É uma brincadeira sem competição, participa-se imbuídos do amor pela poesia.


PÉTALAS DO AMOR




Como seria belo, 
se dos céus pétalas caíssem,
de variadas cores. 

A humanidade nesse instante, 
daria graças embevecida, 
contagiante seria a alegria. 

Todo mal fim teria, 
o amor prevaleceria, 
finalmente a paz venceria.

Luconi
04-03-2020








terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

PALCO DA VIDA



Espectadores de um novo mundo, 
um mundo o qual não pertencíamos,
da platéia parte fazendo, 
a dedo escolhendo, 
o que assistíamos. 


De repente esse mundo se abre, 
nos bastidores ainda tateando,
ao palco somos lançados,
meros atores anônimos.


Não, atenção não nos dão, 
invisíveis somos não, 
mas vistos como coadjuvantes, 
onde somos aceitos por gigantes,
porque do espetáculo faz parte. 


Agigantam-se em suas verdades, 
nas verdades que aprenderam, 
que por único ângulo olharam, 
o ângulo de seus interesses.

Verdades que seus egos alimentam,
maior que a obra querem ser,
o autor sábio pela humildade,
sabia que na obra,
lacunas a preencher existiam.

Tanto ensinou,
que cada ensinamento depende,
do ângulo que é visto,
mas os gigantes prepotentes,
do palco querem tomar conta.

Passarão os gigantes,
esta fantasia na obra não existe,
na obra somos todos coadjuvantes,
de um propósito MAIOR,
no palco da vida.

Luconi
18-02-2020